São José dos Campos Diário - Conteúdo interativo de notícias, vídeos, esportes, lazer, blogs e jornalismo
20 de agosto de 2014 00:30

São Paulo vence Palmeiras

Kardec marca no fim e garante a vitória tricolor

Por Redação

Nada que se pudesse falar do clássico até os 43 minutos do segundo tempo teve importância depois que Alan Kardec recebeu cruzamento, subiu e cabeceou, num movimento de manual de instruções, no cantinho esquerdo do gol palmeirense. Daqueles capítulos que se repetem invariavelmente. O ex-jogador troca um rival por outro numa transferência polêmica e, no primeiro reencontro, faz o gol. E comemora. O centroavante roubou a cena e decretou a vitória do São Paulo por 2 a 1 sobre o Palmeiras.

Alan Kardec São Paulo gol Palmeiras

Por causa de Kardec, os presidentes dos clubes romperam. Nem se falam mais. Foram R$ 13,7 milhões pagos pelo São Paulo ao Benfica depois de o Verdão não chegar a acordo financeiro com o atleta. O Tricolor vai curtir cada centavo gasto neste domingo. A cabeçada do atacante definiu o placar de um jogo marcado muito mais por erros do que acertos.

Erros com mãos, pés e braços do goleiro Fábio, do zagueiro Edson Silva (ou do árbitro Péricles Bassols), do bandeirinha, dos zagueiros, atacantes… Viu-se no Pacaembu dois times limitados, por razões distintas, mortos de medo de levarem gols no primeiro tempo e mais corajosos no segundo, o que tornou o clássico divertido e emocionante.

Os primeiros 45 minutos não merecem mais do que poucas linhas, apenas para dizerem que o melhor em campo disputou apenas 13 minutos e o lance mais importante foi justamente sua lesão. Coxa ou olho? Valdivia colocou a mão na parte posterior da perna direita, caiu com as mãos no rosto e, segundo o médico, teve de ser trocado por Felipe Menezes por conta de uma tontura.

Valdivia palmeiras maca

O Mago parecia enfeitiçado pelas belezas que viu nas férias na Disney. Foi o único que mereceu elogios, apesar do pouquíssimo tempo de ação. Driblou, sofreu falta, cobrou, armou… E saiu. O final nada feliz com o qual os torcedores do Palmeiras já se acostumaram. O Palmeiras murchou sem ele, e o São Paulo foi o que também costuma ser. Um amontoado de bons jogadores (do meio pra frente) que parecem viver cada um num planeta, totalmente desorientados e desordenados.

Juntos, Ganso, Kaká, Pato e Alan Kardec valem milhões. Mas eles raramente estão juntos. Digamos que isso ocorreu por cerca de dez minutos neste domingo. Poderia ter sido suficiente para garantir uma vitória sem sustos. O goleiro Fábio errou a reposição nos pés de quem nunca pode receber um presente: Ganso. Ele rolou para Pato, que abriu o placar.

O baque alviverde foi grande. Nos minutos seguintes, Kaká deu lindo passe para Kardec, que bateu mal. E o assistente Silbert Faria Sisquim errou feio ao dar impedimentos em lances legais, em que Kaká avançaria livre rumo ao gol. O Verdão renasceu. Felipe Menezes chutou, e a bola bateu no braço de Edson Silva. Para alguns, não houve intenção, para outros, incluindo-se o árbitro, houve. Então, pênalti, muito bem batido por Henrique: 1 a 1.

O São Paulo voltou a ser um catado sem grandes destaques individuais. No Palmeiras, o menino Renato, à frente dos zagueiros e com volúpia para ligar os setores, mostrou que há esperança. Henrique poderia ter dado o presente do centenário aos alviverdes. Livre após defesa de Rogério Ceni, ele recebeu de Leandro e, sem goleiro, furou. Seu erro salvou o erro do outro assistente, Rodrigo Correa, que não marcou impedimento de Leandro no lance.

O castigo veio em seguida: Alvaro Pereira cruzou, Kardec subiu mais que Victor Luís e escreveu ainda mais seu nome na história do confronto. Com a vitória, o São Paulo chega a 26 pontos, em quinto, colado no G-4. Já o Palmeiras, sem vencer há nove rodadas no Brasileiro, vê o Z-4 cada vez mais perto.

Fonte: Globo

Os comentários para este conteúdo estão encerrados.