São José dos Campos Diário - Conteúdo interativo de notícias, vídeos, esportes, lazer, blogs e jornalismo
09 de julho de 2016 03:04

9 Julho, Você é Herói/Heroína do seu destino

Criado em 1997, 9 de Julho é feriado somente no Estado de São Paulo.

Por Redação Silvia Helena

Muito aprendizado, podemos colher desse marcante episódio, e pessoalmente escolho destacar: a superação do medo, da dor, da perda, do fracasso, da doença, do cansaço, do cárcere, do desterro, dos tormentos e torturas.

Resultado: ficou a todos manifesto o que traziam na bagagem (comum a todos nós): caráter, coragem, determinação, fé e amor por uma causa.

Podemos pensar o dia 9 de julho como fator diferencial de postura diante da vida: temos todo dia à nossa frente: trincheiras, túneis, morros e vales, e necessitamos planejamento estratégico, logística, ações de apoio e retaguarda, e todos fazemos isso de forma programada ou intuitivamente quando estamos motivados, entusiasmados pela vida.

Há que existir idealismo para que aflore o herói e a heroína que há dentro de nós! 9 de julho, dia de despertar, acorde seu sonho, acredite você é forte!

A vida é luta renhida, que aos fracos abate, e aos fortes, só faz exaltar. (José de Alencar).

Minha homenagem a “você” que a partir de hoje, para mim: é herói e heroína do seu destino.

Parabéns!!! Feliz Dia de Vida e Mais Sucesso!!!  – (Conteúdo enviado por Silvia Helena em 09/07/2013, em Você Reporter) 

bandeira sp.jpg

Agora um pouco de historia

Revolução Constitucionalista de 1932Revolução de 1932 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado ocorrido no Estado de São Paulo,Brasil, entre os meses de julho e outubro de 1932, que tinha por objetivo a derrubada do Governo Provisório de Getúlio Vargas e a promulgação de uma nova constituição para o Brasil. [CALMON, Pedro, O movimento constitucionalista. In: “História do Brasil”. 2a ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1963. v. 6, cap. 37.]

Foi uma resposta paulista à Revolução de 1930, a qual acabou com a autonomia de que os estados gozavam durante a vigência da Constituição de 1891. A Revolução de 1930 impediu a posse do ex-presidente (atualmente denomina-se governador) do estado de São Paulo, Júlio Prestes, na presidência da República e derrubou do poder o presidente da república Washington Luís colocando fim à República Velha [FIGUEIRA, J.G. de Andrade. A Federação dos Voluntários de São Paulo. São Paulo: scp, 1975. 17p], invalidando a Constituição de 1891 e instaurando o Governo Provisório, chefiado pelo candidato derrotado das eleições de 1930, Getúlio Vargas. [Miriam Ilza Santana (3 de outubro de 2007). Revolução Constitucionalista de 1932].

Atualmente, o dia 9 de julho, que marca o início da Revolução de 1932, é a data cívica mais importante do estado de São Paulo e feriado estadual, essa data tem sido considerada o maior movimento cívico da história paulista.

A lei 2.430, de 20 de junho de 2011, inscreveu os nomes de Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, o MMDC, heróis paulistas da Revolução Constitucionalista de 1932, no Livro dos Heróis da Pátria. [ MALUF, Nagiba M. Rezek. Revolução de 32: o que foi, por que foi. São Paulo: Edicon, 1986]

Foi a primeira grande revolta contra o governo de Getúlio Vargas e o último grande conflito armado ocorrido no Brasil.

No total, foram 87 dias de combates (de 9 de julho a 4 de outubro de 1932 – sendo os últimos dois dias depois da rendição paulista), com um saldo oficial de 934 mortos, embora estimativas, não oficiais, reportem até 2200 mortos, sendo que numerosas cidades do interior do estado de São Paulo sofreram danos devido aos combates [OLIVEIRA, Clóvis de. A Indústria e o Movimento Constitucionalista de 1932. São Paulo: Federação e Centro de Indústrias, 1956. 320p] .

São Paulo, depois da revolução de 32, voltou a ser governado por paulistas, e, dois anos depois, uma nova constituição foi promulgada, a Constituição de 1934.

09-07 abaixo a ditadura

Cartaz do movimento contra a ditadura getulista.

A primeira  grande manifestação dos paulistas foi um megacomício – na época se dizia meeting – na Praça da Sé, no dia do  aniversário  de São Paulo, em 25 de janeiro de 1932, com um público estimado em 200 000 pessoas, e, na época, chamados de “comícios-monstro”. Em maio de 1932, ocorreram vários comícios constitucionalistas.

O Partido Republicano Paulista e o Partido Democrático de São Paulo, que antes apoiara a Revolução de 1930, uniram-se, em fevereiro de 1932, na Frente Única para exigir o fim da ditadura do “Governo Provisório” e uma nova Constituição. Assim, São Paulo inteiro estava contra a ditadura.

Os paulistas consideravam que o seu estado estava sendo tratado pelo Governo Federal, que se dizia um “Governo Provisório”, como uma terra conquistada, expressão de autoria de Leven Vanpré, governada por tenentes de outros estados e sentiam, segundo afirmavam, que a Revolução de 1930 fora feita “contra” São Paulo, pois Júlio Prestes havia tido 90% dos votos dos paulistas em 1930.

O estopim da revolta foi a morte, em 23 de maio de 1932, de cinco jovens  no centro da cidade de São Paulo, assassinados a tiros por partidários da ditadura, pertencentes à “Legião Revolucionária“, criada por João Alberto Lins de Barros e orientada pelo Major Miguel Costa.

O dia 23 de maio é muito especial e lembrado em São Paulo como o Dia do soldado constitucionalista.

09-07 Cartão_Postal_do_MMDC

A morte dos jovens deu origem a um movimento de oposição que ficou conhecido como MMDC, atualmente denominado oficialmente de MMDCA:

  1. Mário Martins de Almeida   (MARTINS)
  2. Euclides Bueno Miragaia  (MIRAGAIA)
  3. Dráusio Marcondes de Sousa  (DRÁUSIO)
  4. Antônio Américo Camargo de Andrade  (CAMARGO)
  5. Orlando de Oliveira Alvarenga  (ALVARENGA)

09-07 CONVOCAÇÃO Cartaz convocando os paulistas às armas

Alistaram-se 200 000 voluntários, sendo que se estima que, destes, 60 000 combateram nas fileiras do exército constitucionalista.

A ditadura colocava elementos infiltrados em reuniões e comícios em São Paulo que pregavam o derrotismo e o desânimo da população. [Alexandre Bigeli. Revolução Constitucionalista (em português). UOL – Educação].

O crime mais bárbaro ocorrido durante a Revolução de 1932 se deu na cidade de Cunha, quando as tropas da ditadura torturaram e mataram o agricultor Paulo Virgínio por este se recusar a dizer onde estavam as tropas paulistas. Paulo Virgínio foi obrigado a cavar sua própria sepultura e morreu dizendo:

Cquote1.svg Morro mas São Paulo vence! Cquote2.svg

— Paulo Virgínio

Paulo Virgínio, junto com os jovens do MMDC, está enterrado no ponto central do Mausoléu do Ibirapuera e é homenageado dando seu nome a rodovia SP-171, que corta a região onde ele foi assassinado, o Vale do Paraíba.

O movimento estendeu-se até 2 de outubro de 1932, quando foi derrotado militarmente.

09-07 monumento cps Monumento aos Heróis da Revolução Constitucionalista de 1932 no Cemitério da Saudade, em Campinas.

No feriado estadual de 9 de julho, anualmente se realizam comemorações e desfiles cívico-militares, sendo que o mais importante desfile se realiza no Parque do Ibirapuera em São Paulo. Nesta solenidade, são depositados no Mausoléu do Soldado Constitucionalista os restos mortais dos veteranos falecidos no ano corrente.

Em homenagem à revolução de 1932, no início de julho, um grupo de paulistas faz a “Caminhada 9 de Julho“, percorrendo, todos os anos, a pé, 927 quilômetros pelo estado de São Paulo. Cruzam o estado de São Paulo, saindo de Rubineia, no extremo oeste do estado, e vão terminar a caminhada em Cruzeiro, no Vale do Paraíba, onde foi assinada a rendição dos paulistas. Os organizadores desta caminhada cívica pretendem entrar para o livro Guiness dos recordes como a maior caminhada cívica do mundo.

09-07 monumento sp Obelisco de São Paulo, no Parque Ibirapuera, construído em homenagem aos heróis da Revolução Constitucionalista.

Em 2008 a cidade de Cruzeiro recebeu através da lei estadual 13203 o honroso título honorífico de “Capital da Revolução Constitucionalista de 1932” em virtude dos marcantes episódios desse conflito ocorridos no município, dentre os quais a assinatura do armistício, termo de cessação da Revolução que se deu no dia 2 de outubro de 1932 na Escola Arnolfo Azevedo (na época transformada em quartel-general das tropas paulistas), localizada na região central da cidade.

O Exército Constitucionalista ainda existe e é presidido por veteranos de 1932. A Sociedade dos Veteranos de 1932 preserva a  memória,  documentos e relíquias de 1932.

 

Paris-Belfort — Hino Paulista da Revolução de 32
(letra: Guilherme de Almeida)

Nove de Julho é a luz da Pátria
Data imortal deste berço augusto
Os bandeirantes denodados
Deste São Paulo vanguardeiro e justo

Nove de Julho é a glória do Brasil
Cantado por São Paulo
Sob um lindo céu de anil

Nove de Julho é a luz da Pátria
Data imortal deste berço augusto
Os bandeirantes denodados
Deste São Paulo vanguardeiro e justo

Nove de Julho heróica é bela data
Marco inicial da jornada democrata
Piratininga terra do trabalho
Onde são reis, a enxada e o malho

Seu povo altivo vai espalhando
Amor pela Pátria e vai cantando
Solo querido, terra amorosa
Pátria de bravos, sempre formosa

Redação

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*